Please assign a menu to the primary menu location under menu

Saúde bucal pode afetar o restante todo do organismo

A saúde bucal pode estar relacionada com problemas desencadeados no restante do organismo, e foi ao longo do tempo que a medicina e a odontologia se juntaram para estudar essa relação. Em um primeiro momento médicos não se preocupavam com isso, e os cirurgiões dentistas resolviam apenas problemas localizados.

Foi no século XX que as duas disciplinas começaram a identificar problemas de infecções com origem na boca que poderiam ser a causa direta de outras doenças como, por exemplo, câncer, diabetes, osteoporose entre outras.

O corpo humano é um elemento único, ou seja, os sistemas são interligados e por este motivo, se alguma parte do corpo estiver doente, pode se dizer que se está em estado de doença. Assim, a saúde bucal está diretamente ligada à saúde geral do organismo, exemplificando essa relação, pode-se citar a endocardite bacteriana, que atinge as válvulas do coração, diabetes e a doença periodontal, que atinge as gengivas e comprometem os dentes, e a própria doença cárie, que é um estado de doença do indivíduo e não apenas a manifestação da lesão.

Essas doenças que se iniciam por falta de limpeza bucal podem levar até a morte, porque as bactérias que formam cáries podem chegar ao canal e cair na rede sanguínea atingindo cérebro e o coração. Um caso claro dessa desorientação foi do jogador de Basquete Laurence Scott Young, 30 anos, ala/amador americano que defendia o internacional/santos.

O diagnóstico que é difícil e necessita de um tratamento intensivo tem preocupando médicos e dentistas que atendem estes pacientes. Afinal, eles não se atentam com os cuidados necessários, ou até mesmo não são conscientizados que a boca é fonte de tudo para o organismo humano e que dela ocorre vários processos fundamentais para o bom funcionamento.

A professora de odontologia da USC, Danieli Colaço orienta que ‘’A melhor forma de conscientizar a comunidade se inicia no papel da medicina em relação à odontologia, onde médicos pediatras orientam pais a fazerem um acompanhamento dentário com dentistas pediatras em seus filhos, desde recém-nascidos. Assim, a comunidade já cresceria com a mentalidade de que ir ao dentista, escovar os dentes e se preocupar com a saúde bucal é de grande importância para manter o organismo em estabilidade plena’’.

A boca não é uma parte separada do organismo. Ela está integrada a um sistema que depende de outros sistemas como uma rede. Assegurar a saúde bucal é assegurar a saúde geral do paciente, pois não são estados separados, mas dependentes. A comunidade deve ter essa compreensão de um corpo vivendo em equilíbrio, de forma saudável, e para que os casos de morte por falta de higiene bucal diminua.

Visitar ao dentista semestralmente traz benefícios de uma boca saudável
Crédito: Augusto Serna (Banco de imagens: FLICKR)

Fazer uma escovação correta, o uso do fio dental e ir ao cirurgião dentista são passos fundamentais para manter uma boca saudável e se tornar um indivíduo livre dessas doenças provocadas por falta de atenção, descuido ou até de conscientização. ‘’O tratamento precoce e a prevenção produzem resultados previsíveis e evita à perda desnecessária dos tecidos que envolvem dentes’’ afirma Adma Zaparoli, dentista clínico geral.

Orientações para uma higiene bucal correta

Uma boca saudável pode ser caracterizada não só por dentes em bom estado de conservação, como também as gengivas e tecidos íntegros e em equilíbrio com o meio, livre de placas bacterianas, cáries, doença como gengivites e focos de infecção.

Para se alcançar uma higiene bucal correta tudo se dá início com a escovação, que deve ser feita com a mesma frequência de quando se alimenta. A escova deve ser de cerdas macias, de cabeça pequena e pouca quantidade de creme dental. Não se pode impor força na escovação, uma vez que a eficácia dela está nos movimentos corretos. Todas as faces dos dentes devem ser escovadas e não apenas a parte visível.

Não se pode dispensar o uso do fio dental, uma vez que ele faz a limpeza mecânica das áreas onde as cerdas não alcançam. A orientação é de usar 40 centímetros de fio, deixando um pedaço livre entre os dedos, seguindo as curvas dos dentes, limpando além das linhas das gengivas, mas, não forçando demais.

Fazendo a escovação correta à formação de placas bacterianas que futuramente se tornam em cárie. A visita ao dentista também não pode ficar de fora, o tempo dessas visitas é varia, mas, a orientação no geral é que essa visita seja semestral. Estar ciente dessas informações ocasiona a diminuição de casos de pacientes com problemas na região bucal, levando uma vida mais saudável e em equilíbrio com o restante do organismo.

The author: Amanda Sanches

Graduada em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo pela Universidade do Sagrado Coração (Bauru). Integrou a equipe de reportagem e diagramação do projeto Círculo ON, jornal digital. Posteriormente, passou a contribuir com a equipe da Webrádio USC, como produtora e locutora do programa Extensão Saúde, uma revista radiofônica sobre saúde e bem estar. Apresentou trabalhos e banners em eventos científicos com ênfase em comunicação e promoção da saúde, além de ter produzido o Trabalho de Conclusão de Curso e Iniciação Científica com a mesma temática. Possui curso complementar de aperfeiçoamento em repórter de TV, promovido pela Oficina Mídia de Janeiro á Março de 2015. Atualmente trabalha na empresa Rádio Comunicação FM Stéreo Ltda (94FM- Bauru).
Leave a Reply