Outros

Novidade: Maionese sem lactose, amido e glúten

21/05/2015 | POR: Marina Iris | TAGS: , , ,
maionese

A Hemmer lança um novo produto: Maionese. Ela é livre de lactose, amido e glúten. O produto será comercializado em embalagens de 200g e 290g.

Produto surgiu de uma demanda do mercado, que já conta com opções de ketchups e mostardas da marca. Segundo o gerente comercial da empresa, o grande diferencial da maionese será a qualidade que o consumidor já conhece dos outros itens da companhia.

O produto deve chegar às gôndolas em junho. Para comprar online, basta acessar o e-commerce www.emporiohemmer.com.br.


Bolo de Chocolate com Biomassa

20/05/2015 | POR: Carol Valdo | TAGS: , ,
1

Olá pessoal! Que tal preparar um bolo com a famosa Biomassa de Banana Verde?

A biomassa de banana verde consiste em uma preparação feita com polpa de bananas verdes cozidas. Esta simples preparação é capaz de melhorar a imunidade, contribuir para o desenvolvimento da microbiota intestinal, reduzir o risco de câncer de intestino, controlar os níveis de colesterol, prevenir o diabetes e evitar o acúmulo de gordura abdominal. (Fonte: minhavida.com.br)

De simples preparo, você vai adorar!! Eu usei a biomassa pronta. Você pode encontrar em empórios e casas de produtos naturais.

Anote os ingredientes:

Massa

1/2 pacote biomassa (125gr)
1/2 xíc de leite
2 ovos
3/4 xíc de óleo de coco
1 xícara de farinha de arroz
1/4 xíc de farinha de amêndoas
1 xíc açúcar demerara
1 xíc de achocolatado Gold
1 Cs fermento 1 colher de café de bicarbonato de sódio

Cobertura

3 colheres de sopa de biomassa
1 barra (100 gr) de chocolate amargo 60% cacau derretido em banho maria

Bata todos os ingredientes da massa no liquidificador. Leve ao forno pré aquecido por 30 minutos até que esteja assado.

Para a cobertura: Com o chocolate ainda quente misture a biomassa e bata no mixer até ficar com a consistência desejada.


Um beijo a todos!


Saúde

O jardim do outro – Ou porque não estamos satisfeitos com o que temos (#SOUMAISEU)

19/05/2015 | POR: Prof Leandro Rhein | TAGS: ,
inveja

Para a maioria de nós, a verdadeira vida é a que não levamos. É muito difícil ver alguém satisfeito com o que tem; passamos horas na academia, fazemos restrições alimentares, sacrifícios, mas sempre achamos que o abdômen do outro é melhor que o nosso!

Isso é culpa do nosso cérebro, da nossa conduta de comparação e dos nossos neurônios espelho, que agem imitando o mundo que o circunda.

O drama de muitas pessoas é esperar que acontecesse algo diferente ou especial que lhes permita viver. No entanto é justamente essa atitude que impede que a vida desejada chegue. Muitas vezes, você inicia um processo de reeducação alimentar, e ao atingir passa a lutar desenfreadamente por um abdômen “6 packs” (seis gominhos – barriga tanquinho) – mas era isso mesmo que você queria? A ansiedade, e as privações são necessárias? Qual era sua meta anterior? É como você se preparar arduamente para uma guerra que nunca vai ocorrer – ou seja – a energia será gasta a toa.

O anseio por uma vida que não é sua se mostra desde o dia em que você decide a meta inatingível. Faça assim, tenha uma meta atingível e revise sua verdadeira luta por isso. Nosso cérebro não trabalha com ideias irreais, faça isso por você e pelo seu cérebro, use-o a seu favor.

Em vez de trancar-se numa fortaleza imaginária, gastando tempo e energia, olhe ao redor e deguste os frutos de cada momento da vida.

#metaspossíveis #menosexpectativas #SouMaisEu


Saúde

Você consome alimentos integrais?

14/05/2015 | POR: Lia Raquel Manfredi | TAGS: ,
integral

Quem busca uma alimentação equilibrada e saudável, normalmente dá preferência para o consumo de alimentos integrais. Mas será que o pão (bolacha, cereal, etc) que você consome realmente é integral?

É comum, em meu consultório, escutar do paciente que só consome pão (ou qualquer outro tipo de produto) integral. Também é comum observar que boa parte dessas pessoas não possui o hábito de ler os ingredientes contidos na formulação. Por isso resolvi escrever esse texto.

De acordo com a RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002 (ANVISA) todos os ingredientes contidos em um alimento, devem constar no rótulo em ordem decrescente, da respectiva proporção. Nesse contexto, para um alimento ser considerado integral, deverá apresentar pelo menos 51% de grãos integrais em sua composição (Projeto de Lei 5081/13).

Pra ficar mais fácil de entender: quando você pega um produto acreditando que ele seja integral, olhe a lista de ingredientes. O primeiro ingrediente, nesse caso, deve ser “farinha de trigo integral”. São tantas as opções que a gente acaba ficando perdido diante da prateleira do supermercado.

Não se deixe enganar pelo rótulo: “Fit”, “grãos”, “light”, nem sempre essas nomenclaturas representam um produto integral.

Mas o que é um alimento integral?

São, basicamente, grãos e cereais – como arroz, trigo, aveia, centeio e cevada (e seus derivados) que apesar de industrializados não passaram por nenhum processo de refinação (retirada da casca ou película) e por isso conservam todos seus componentes originais: fibras, vitaminas e minerais.

Esses alimentos são ricos em fibras insolúveis e solúveis que regulam o funcionamento do intestino, promovem saciedade precoce colaborando com o emagrecimento, reduz colesterol, etc.

As fibras insolúveis (presente na casca de grãos e vegetais) contribuem para a formação do bolo fecal e os movimentos peristálticos, ou seja, empurram as fezes para fora do nosso intestino. Já as fibras solúveis formam uma espécie de gel em nosso estômago. Esse “gel” ajuda a reduzir o colesterol, promove saciedade precoce, reduz a glicemia sanguínea por retardar a digestão do alimento ingerido e também colabora com a estrutura das fezes, deixando-as macias.

Mas lembre-se: toda alimentação rica em fibras deve ser acompanhada de uma ingestão correta de líquidos, caso contrário, pode causar constipação intestinal.

Abaixo, segue o rótulo de 2 pães normalmente consumidos. Um é integral e o outro não. Aprenda a interpretar rótulos e não seja mais uma vítima da indústria alimentícia.

Lia Raquel Manfredi – Nutricionista – CRN3 33030.


566 páginas